Tártaro – Idéias Pagãs do Inferno

Slide04

Os sábios pagãos admitem que eles inventaram a doutrina.

Políbio diz: “Desde que a multidão é sempre inconstante, cheia de desejos sem lei, paixões irracionais e violência, não há outra maneira de mantê-los em ordem, mas pelo medo e terror do mundo invisível, no qual conta os nossos antepassados parecem-me ter agido judiciosamente, quando planejaram trazer para a crença popular essas noções dos deuses e das regiões infernais. “ B. vi. 56.

Estrabão diz: “A multidão é impedida de vícios devido às crencas em punições que os deuses são capazes de infligir aos infratores, devido a terrores e ameaças que palavras terríveis e monstruosas imprimem em suas mentes …. Pois é impossível governar o multidão de mulheres, e toda a multidão comum, através de um raciocínio filosófico, e levá-los à piedade, santidade e virtude, mas isso deve ser feito por superstição, ou o medo dos deuses, por meio de fábulas e maravilhas, pois o trovão, a égide, o tridente, as tochas (das Fúrias), os dragões, etc, são fábulas, como também toda a teologia antiga”.

Geo. BI Seneca diz: “Essas coisas que fazem as regiões infernais terrível, a escuridão, a prisão, o rio de fogo flamejante, o tribunal, etc, são todas uma fábula, com o qual os poetas se divertem, e por eles agitam nos com terrores vãos “. Quão perto estes horrores supersticiosos – estas invenções pagãs

*****


Tântalo, Sísifo e Íxion: três exemplos dos sofrimentos infernais.

Tântalo, rei da Frígia, foi lançado ao Tártaro, onde, num vale abundante em vegetação e água, foi sentenciado a não poder saciar sua fome e sede, visto que, ao aproximar-se da água esta escoava e ao erguer-se para colher os frutos das árvores, os ramos moviam-se para longe de seu alcance sob a força do vento.

Sísifo era rei de Corinto foi levado ao Tártaro, tinha por tarefa empurrar uma rocha até o topo de um monte; mas, passando o dia todo neste afã, quando descansava à noite a pedra voltava a rolar até a base da montanha — de modo que tinha de começar tudo novamente, todos os dias. Deu origem à expressão trabalho de Sísifo para designar tarefas intermináveis

Íxion Rei da Tessália também ultrajara aos deuses, sendo portanto condenado a ser amarrado, tendo serpes por cordas, a uma roda de moinho, que um vento fazia girar eternamente.

*****

 
Assim como Gaia era a personificação da Terra e Urano a personificação do Céu, Tártaro era a personificação do Inferno. Nele estavam as cavernas e grutas mais profundas e os cantos mais terríveis do reino de Hades, o mundo dos mortos, para onde todos os inimigos do Olimpo eram enviados e onde eram castigados por seus crimes. Lá os Titãs foram aprisionados por Zeus (Júpiter), Hades (Plutão) e Poseidon (Neptuno) após a Titanomaquia. Na Ilíada, de Homero, representa-se este mitológico Tártaro como prisão subterrânea ‘tão abaixo do Hades quanto a terra é do céu’. Segundo a mitologia, nele eram aprisionados somente os deuses inferiores, Cronos e outros espíritos titãs (criaturas sobre-humanas), enquanto que os seres humanos, eram lançados no submundo, chamado de Inferno. O Tártaro é personificado por um dos deuses primordiais, nascidos a partir do Caos. Suas relações com Gaia geraram as mais terríveis bestas da mitologia grega, entre elas o poderoso Tifão.

Tradução: Ana Burke.

Disponível em:<http://mitologiaecivilizgrega.blogspot.com/2009/11/tartaro.html>Acesso em 06/05/2013

– Disponível em: <http://www.tentmaker.org/books/TheBibleHell.html&gt; Acesso em 08/05/2013

 

 

 

 

Um comentário sobre “Tártaro – Idéias Pagãs do Inferno

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s